AGENDA PARA FEVEREIRO 2018

A Direção Regional das Comunidades do Governo dos Açores, a Casa dos Açores de Santa Catarina e o Instituto de Genealogia de Santa Catarina – INGESC convidam V.S.ª para participar da Conferência:

“Experiência de um genealogista através das famílias do antigo Império Português”

e da Oficina: “Fazer genealogias hoje em Portugal”. 

Palestrante: o Historiador e Genealogista Açoriano

Jorge Forjaz

Data e Local: 24/02/2018 com inicio às 14 horas, na Casa de Encontros Provincialado do Coração de Jesus, Auditório Padre Eduardo Michelis.  Rua Hermann Blumenau, 122 – Centro – Florianópolis
Inscrições gratuitas através do e-mail: contato@ingesc.org.br

 

 Na mesma oportunidade o INGESC lançará seu Projeto Nove Ilhas e Um Destino:

 9 ilhas e um destino folder 01 email

Se você quer participar envie email para: contato@ingesc.org.br.

2018 vai ser nos Açores o ano de Santa Catarina, e aqui, na Ilha de Santa Catarina, vai ser o ano dos Açores.

Os açorianos foram os grandes povoadores do litoral de Santa Catarina entre os anos de 1748 a 1756, deixando marcas inconfundíveis na cultura e na identidade do povo catarinense. E mesmo com a distância e o tempo, ou seja, distantes cerca de 10.000 km e passados 270 anos, esse povo criativo, alegre e destemido, conseguiu manter suas tradições, suas crenças e seus costumes. Fez com que mesmo depois de todas as adversidades que passaram desde a saída dos Açores e sua chegada em Desterro, não se esquecessem de suas histórias e costumes, mas perderam a lembrança do local de suas origens. Diante disso, a cultura e as tradições são tão fortes no cotidiano do povo catarinense que acabam despertando o interesse e a curiosidade pela busca das origens propriamente ditas, o que pode ser realizado através da pesquisa genealógica.

No dia 21 de outubro de 1747 partiram dos Açores e aqui chegaram em fevereiro de 1748; em 2018 completaremos 270 anos dessa chegada, e, para comemorarmos esta data, o Instituto de Genealogia de Santa Catarina – INGESC realizará o Projeto Nove Ilhas e Um Destino – Subsídios Genealógicos da Imigração Açoriana em Santa Catarina, que têm como objetivo fazer um mapeamento genealógico dos registros existentes sobre esta diáspora, nos primeiros 100 anos, nos livros de batismos, casamentos e óbitos, da Ilha de Santa Catarina, formada por sete freguesias, como também São José da Terra Firme, São Miguel da Terra Firme, Vila Nova (Laguna) e Freguesia de Nossa Senhora do Rosário da Enseada do Brito.
Juntaremos as informações existentes nos registros mais antigos da Igreja Católica, no período compreendido entre 1748-1848; assim, pesquisaremos os filhos e netos desses imigrantes. Os padres em muitos registros escrevem o local de onde são naturais os pais e avós. Vamos separá-los por famílias, dentro das nossas freguesias, pelas Ilhas de origem e, ainda, pelo grupo sem identificação de ilha nem de freguesia. Da mesma forma, procederemos com os da Ilha da Madeira, aqui chegados no mesmo período. Registraremos o material bibliográfico já publicado e também as pesquisas dos associados e de outros pesquisadores com a devida fonte de pesquisa e todos os registros onde se possam identificar os casais açorianos e seus agregados aqui chegados, para depois compararmos com as pesquisas e publicações existentes nos Açores e em Santa Catarina.

Poderemos, assim, produzir livros, revistas, banco de dados com a lista nominal dos Açorianos aqui chegados, aquela lista que todos procuram, e sobre a qual Marcos Pinheiro, o primeiro Presidente do INGESC, falou no encontro do NEA – Núcleo de Estudos Açorianos da UFSC, na comemoração dos 260 anos da chegada dos Açorianos em Santa Catarina.

Em 2018, realizaremos um ciclo de palestras sobre a história da imigração Açoriana, buscando os trabalhos feitos nas universidades, nas publicações existentes, desde o primeiro Congresso de História de 1948, quando o Professor Nereu do Vale Pereira já estava presente; assistiremos a vídeos referentes ao assunto; convidaremos pesquisadores que serão indicados pelos associados para as discussões durante o ano de 2018. Queremos separar o que é história e o que é lenda, informações que tenham fontes primárias, para chegarmos o mais próximo possível do acontecido. Sabemos que não vamos conseguir mapear 100% das pessoas que vieram, mas grande parte das familias aqui desembarcadas.
No final do ano, realizaremos um encontro, num sábado, para fazer a apresentação do material pesquisado. Convidamos associados e amigos e todos aqueles que pesquisam a imigração Açoriana para participarem conosco.